MANIFESTO DA DIRECÇÃO: Este blogue “www.sortesdegaiola.blogspot.com”, tem como objectivo primordial só noticiar, criticar ou elogiar, as situações que mais se distingam em corridas, ou os factos verdadeiramente importantes que digam respeito ao mundo dos toiros e do toureio, dos cavalos e da equitação, com total e absoluta liberdade de imprensa dos nossos amigos cronistas colaboradores.

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Zé Palha e Ventura- Uma história que não terminou...

Todos conhecem a amizade que unia os protagonistas da história que vou contar.

Resultado de imagem para diego ventura e josé palha

Há cerca de um ano e pouco encontrei o Zezinho Palha no Porto Alto que me disse que tinha vendido uma égua gadiça ao rejoneador e que este a ía provar á tarde, tendo-me convidado para o acompanhar.
Aceitei, e lá seguimos direito a Pancas. A égua, embora sem arranjo, mostrou qualidades fantásticas, o que suscitou da parte do criador comentários do tipo : "Já me enganaste, se soubesse que era tão boa tinhas pago bem mais..."

A égua seguiu para Sevilha, e passado quase um ano ( dias antes da corrida de Ventura em Montijo) coincidi com o meu amigo José Palha de novo em Pancas, e vimos a égua já rematada de doma, parar um novilho de forma brilhante, mas para Diego, não era todavia suficientemente segura para a sacar no Montijo. Ficou nesse dia assente entre os três que na primeira vez que a toureasse nela em Portugal haveria comemoração. Infelizmente a vida coartou-nos esse prazer...
Estou convencido de que Ventura a irá sacar no sábado como acrescente da sua homenagem ao amigo e ao coudeleiro, que tanto vibrou com outros cavalos celebres do seu ferro como o Ramsés, trovador e Kalinka com os quais toureou Mestre Batista, e tantos outros que se distinguiram como o Trinitá de Gustavo Zenkl...

Esta história quis o destino que não terminasse, mas fica a saudade de um bom amigo e enorme aficionado. 

C. Pequeno de 20 a 22- Mercado do VINHO...

País está em convulsão e o mundillo também..

O País está em convulsão e o nosso mundo taurino também











Na internet, nos jornais, na rádio, na televisão, na rua e nos cafés, tudo desanca nos politícos ( com razão certamente...) tornando-os culpados absolutos do caos a que chegámos. Será que cada um de nós não tem também a sua culpa ? Eu penso que sim, acima de tudo porque votámos neles e porque recebemos as suas promessas como boas e as exigimos quando eles andavam em campanha. E aqueles que utilizaram créditos de qualquer maneira ? E os que abusaram de baixas médicas ? E os que não renderam o que deviam nos seus locais de trabalho , etc. etc. etc.?
É evidente que em alguns desses itens sou responsável...

A propósito desta convulsão, vou agora debruçar-me sobre o Mundo da Tauromaquia.

A crise que se vive no nosso mundo taurino, não é só reflexo da crise mundial. Houve erros que se foram cometendo e que já há vários anos deixavam prever o que se vive agora. A saber:

1º - O dinheiro que as empresas pagam pela exploração das praças é incomportável.
2º - O aumento dos efectivos das ganadarias só podia conduzi ao excesso ( este ano quase não houve toiros espanhois, o numero de corridas foi o mesmo e os excedentes quase não existiram...)
3º - A preponderância do supérfluo em detrimento do fundamental por parte das associações de classe, que tantas vezes se verificaram nos últimos anos...
4º - A busca de protagonismo por parte de alguns agentes, sem projectos sólidamente pensados...
5º - A opção pelos bilhetes caros, que levou muita gente a optar pelas praças com pouco público a pagar muito, em detrimento de praças compostas em função de preços populares...
6º - O aumento de despesas dos cavaleiros, com camionetas exageradamente caras, com aluguer de dezenas de vacas, quando antigamente toureavam as vacas em casa dos ganaderos, e os cavalos até beneficiavam por trabalhar em ambientes diferentes....
7º - A sujeição de Cavaleiros e forcados a caprichos e condições impostas por algumas empresas.
8º - A montagem de carteis ao sabor de trocas e amizades, despidos de gosto e aficcion...
8º - A incultura taurina de alguns críticos (pouco se vê de preocupações didácticas), e a dos empresários e toureiros...
9º - O pactuar com as exigências "murubenhas" de toureiros, que arredaram a emoção as corridas...
10º - As meias águas no tratamento do pequeno mas barulhento movimento ANTI...

Dirão os leitores : "mas então que fazer ???"

Respondo eu: É muito simples, basta fazer o contrário do que expus sintetizado nos dez pontos expostos.

Toiros- Mulher tanto andou, que se lixou...


Toiros- 5 situações graves em que fujiram...


terça-feira, 17 de outubro de 2017

Sabado- Vila Franca capital da amizade...


Crónica do festival de Vila Boim...

Festival agradável de seguir com casa cheia

Resultado de imagem para festival de vila boim

FRANCISCO CORTES

A alegria costumeira e bons ferros curtos, montado num novo cavalo preto, que certamente muito irá dar que falar...

FRANCISCO PALHA

Uma actuação no seguimento das corridas que tem toureado ultimamente, recheada de valor e emoção...

J. BRITO PAES

Não estando mal, não foi das vezes que o vi melhor...

Resultado de imagem para festival de vila boim

El Cartujano, mostrou saber, Juan Leal 'gostou-se' deixou pinceladas de arte e estética, Manuel Dias Gomes, desenvolveu boa actuação marcada pela profundidade, e de Carlos Dominguez pouco se viu...

Pelos de Évora, pegou ao segundo intento, João Maria Caeiro e pelo Aposento da Moita, João Gomes, à primeira tentativa. À segunda tentativa, pegou num grupo misto (com quatro elementos de cada formação), o forcado Rui Bento.

Crónica da demonstração de toureio de Vila Boim...

Dois toureiraços com o nome Tomás...

Resultado de imagem para toureiro tomas moura

A demonstração de toureio de Vila Boim foi um sucesso. De todas as que ali se têm realizado foi a que mais público teve, acabando por ter tanto público como o Festival que se realizou á tarde.
Ninguém deu por mal empregue o tempo, depois de assistirem a duas autênticas revelações que nos fizeram sonhar.

Meus caros amiguinhos Tomás Moura e Tomás S. Bastos, vocês apareceram e fizeram-me voltar a um tempo novo, e por ser assim....  voando em vossos sonhos de crianças - sonhos coloridos - entrei nesta roda gigante da vida, e nesses momentos vividos com a vossa arte, voando com vocês, num mundo colorido de esperança e amor ás artes que me apaixonam.

TOMÁS MOURA

Todo um caso em que se viu bem a fonte onde bebeu. Sentido de lide, sortes bem desenhadas, desembaraço e a facilidade natural em chegar ao público, pesaram na sua apresentação, pesada por uma praça cheia...
Sacou três cavalos e em todos se desenrascou, e mesmo quando as bandarilhas não ficaram, as sortes foram bem desenhadas mesmo quando em sortes mais arriscadas...

TOMÁS S. BASTOS

Outro caso de um toureiro de dinastia. Filho do bandarilheiro David Antunes e sobrinho neto do matador José Julio, traz-me á ideia este slogan que imortalizou o dito matador : "É de vila Franca e chama-se José Julio". É caso para dizer : " È de V. franca e chama-se Tomás"...
Como é possível caber tanta raça e toureria num jovem de dez anos??'!!


Tauromaquia- Vem aí a época dos prémios...

Todos os anos por esta altura, publico esta crónica que escrevi há 8 anos, porque penso que é sempre actual..

Resultado de imagem para entrega de prémios


Prémios

Está a começar a época dos prémios, os prémios fazem bem á saude, incham o ego de qualquer e quase nos fazem sentir prenhos de auto-estima.
A propósito de prémios vou contar histórias, por si elucidativas, que  ajudam a dar a este tema uma visão diferente.

Houve em tempos um aspirante a toureiro, que não conheci mas que me foi pormenorizadamente descrito pelos aficcionados Nuno Salvação Barreto e “Xico Carreira”, que passou um ano a pagar jantares de homenagem a ele próprio - organizados por amigos da corda -, onde lhe eram entregues prémios de que o próprio era mentor.
Um dia há falta de nome ou entidade para titular mais um prémio o “Nuno e o Xico” organizaram mais um jantar para a entrega do prémio “Putas do Bairro Alto” para o toureiro mais janota, que foi entregue com pompa e circunstância, pela mais conhecida  ”meretriz “ do dito bairro, naquela época.
È evidente que não divulgarei o nome do toureiro em questão, por respeito aos seus descendentes, tanto mais que esse dito senhor, foi um bom gerente da sua empresa, bom chefe de família, tendo só o “pecadillo” de querer ser toureiro.

Há também a história mais recente, que muita gente conhece, de uma entrega de prémios “Rio Grande “ em Sevilha, em que determinado toureiro, depois de ter sido triunfador claro e absoluto da feira, apercebendo-se que o dito prémio ia para outro, deixou que uns amigos escondessem o dito.
Imaginem quando chegou a entrega do prémio e o mesmo não estava lá.

Não passo sem descrever a minha própria experiência, quando há uns anos ganhei o extinto prémio “Farpas” para o melhor crítico e que funcionava em moldes mais ou menos democráticos, sendo por isso atribuído em função do número de cupões do jornal chegados á redacção.
Todas as semanas eram contabilizados e divulgados os resultados no jornal.
Pois bem meus amigos:
Ás minhas amigas beatas, acompanhei-as ao terço mo mês de Maio e dei a cada uma um postal com a fotografia de S. Santidade o Papa.
Aos meus amigos políticos prometi que votaria neles em próximas eleições.
Aos meus amigos do Benfica  (Carlos Amorim incluído) disse que estava farto de ser do Sporting e que se um dia mudasse de clube seria p’ró Benfica.
Ao pessoal do loby GAY, prometi-lhes que passaria a defender sempre o direito há diferença, argumentando com peso e objectividade, que cada um leva onde quer. Prometi-lhes ainda que apoiaria o casamento entre pessoas do mesmo sexo por ser naturalissimo que dois gaijos ou duas tipas se casem…
Fiz isto tudo e muito mais para ganhar um prémio, mas ganhei democraticamente (qualquer semelhança desta minha vivência com a prática da democracia partidária é pura coincidência).
Teria mesmo ganho com maior vantagem não fosse a forretice e a honestidade do Alvarenga, que ao pedir-lhe para me dar as sobras do jornal, que com os meus filhos preencheria ao serão, me respondeu : Oh João vai á bardamerda !!! Eu, Miguel Alvarenga não me presto a esses jogos.
Já agora e para terminar, recordo que no último dos festivais da amizade organizados por mim e pelos Carlos de Almeirim, Maurício, Zuquete, Chinha, Manel e João Rabaça, Gustavo, Tomix etc., foram instituídos tantos prémios quantos os cavaleiros. Prémio melhor comprido, melhor curto, melhor recorte, melhor par tentado a duas mãos, melhor palmito, melhor ferro de frente ou quase, e melhor ferro á cagadinha, que foram atribuídos aos cavaleiros: Zé Manel Pires da Costa, Humberto pardal, Platanito, Zé Luís Gomes, M. João Mauricío, Ricardo Chibanga e João Cortesão.
Todos ficámos contentes e inchados!!!
Estes prémios foram atribuídos pela SR. D. Maria Manuel Cid e pelos sr.s Eng. João Azevedo (marquês de Angeja), António da Póvoa, Manuel Vaz Tecedeiro, Joaquim Laudácias, Joaquim Nunes e Joaquim Oliveira (infelizmente quase todos já desaparecidos).
Não podia haver um grupo de gente mais séria e mais entendida, como  acontece na maioria dos que fazem parte dos júris de hoje.   


Cá por mim entristece-me ter ganho o tal prémio “FARPAS”. Já não posso dizer como Woddy Allen: “Orgulho-me de nunca ter ganho um  prémio”!!!.

Toiros- Muito humor...


Toiros- Encierro perigoso...


segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Crónica do C. Pequeno- Grande corrida...

Com praça esgotada, um curro notável "PASSANHA" projectou os artistas para o seu melhor nível...

Resultado de imagem para campo pequeno esgotado

Porque todos os toureiros estiveram bem, vou basear a minha crónica no que mais gostei em cada um deles, pois cada um apresentou um toureio diferente e personalizado...

RUI SALVADOR

Os anos passam, mas a raça e o valor continuam inalteráveis como demonstrou nesta corrida, ainda que a sua quadra actual não seja a ideal...

RUI FERNANDES

De destacar o valor que pôs nos compridos e a emoção que transmitiu nos curtos, com um toureio personalizado.
Terminou em apoteose, levando o público ao rubro, com um cavalo castanho com que citou de forma aparatosa em balanceio..

J. MOURA CAETANO

Começou com compridos de praça a praça de enorme valor, dando vantagens ao toiro ( numa sorte que só ele pratica). Depois a série de curtos com o "Temperamento" foi o costume, classe, temple, emoção e arte.
Ficaram-me ainda na retina, a ausência de toques nas montadas e de passagens em falso que foram determinadas pela excelência da escolha de terrenos e distancias, e ainda a forma como cuidou do toiro com toureria, deixando-o descansar de quando em quando, atendendo a que este tinha mais de 600 k. P´ró meu gosto, foi das melhores, senão mesmo a melhor lide que vi este ano no C. Pequeno, pela sua correção...

M. TELLES BASTOS

Foi quem representou e bem, neste lote de excelentes toureiros, o toureio dito Clássico.
Brilhou mais nos curtos com um cavalo novo, numa série de sortes de perfeita execução que o público muito aplaudiu...
Não abdicou do seu toureio, para gáudio dos apaixonados do classicismo.


J. MOURA jr

Nos compridos esteve acima do que lhe é habitual, e nos curtos brilhou com sortes iniciadas de longe atacando o toiro, num desempenho que lhe é típico.
No entanto, foi nos remates das sortes em piruetas cingidíssimas de grande valor ( montado no cavalo ferro R. Tenório).
Nestes detalhes fez vibrar a assistência, mostrando-se nas piruetas verdadeiramente empolgado, como nunca o tinha  visto...

L. ROUXINOL jr

Mostrou que cada dia que passa está mais sólido o seu toureio, e a sua noção do espectáculo.
A sua actuação foi marcada com uma lide com bons ferros, terminada de forma brilhante com um palmito e um violino...

FORCADOS :

Os Grupos de Évora ( que atravessa um grande momento) e Vila Franca estiveram á altura desta corrida.

Pelo Grp de Évora pegaram de caras, Gonçalo Pires, João Pedro Oliveira e Manuel Rovisco. Pelos de Vila Franca, pegaram, os forcados Vasco Pereira, Francisco Faria e Rui Godinho.

Vila Boim- Carta L F. Carvalho e M. Rovisco...

Carta a Luís Fernando Carvalho e Manuel Rovisco...

Meus queridos amigos, Portugueses de lei :




A festa de vila Boim que sem vocês não existia, é uma lufada de ar puro num mundo conturbado como é o mundo taurino. Ali não há interesses, não há guerras, não há rivalidades, nem gente com ânsia de protagonismo bacoco. Ali tudo é Português numa simbiose de amizade e convivio são, que escorre do sentimento de todos os que ali se deslocam, fazendo lembrar as velhas romarias na alegria, na música e na forma como as pessoas se despem de preconceitos para viver aqueles dias, longe de preocupações e tormentas.

Há no entanto uma verdade que não pode ser contestada, que é o facto, de sem vocês nada disto ser possivel. O vosso trabalho, que é muito, a vossa entrega, a vossa generosidade e o vosso entusiamo, fazem nascer do nada, aquilo que todos os que ali se deslocam podem usufruir.
Não é fácil encontrar gente que se entregue de alma e coração, a uma causa benéfica, assim sem mais nada...

Aquela festa, faz-me lembrar o estribilho de um fado, que reza assim: " Tudo ali é Português / Tudo ali vive contente / Vive o pobre e o burguês / É pequenina ialvez / Mas cabe lá toda a gente....

 Vocês são os principais obreiros deste acontecimento que vai marcando época após época, as temporadas tauromáquicas, não acabem nunca com esta festa, porque será uma perca cultural se isso um dia acontecer...
 Vocês trazem-me á ideia mais um recorte de um fado :

Neste País
Onde longe nos mataram
Um Rei e um Povo
E a Vontade de Viver

Ouvi que riam
Ouvi também que choravam
Mas que cantavam a alegria e o sofrer

Doce País, aquele que lembra a saudade
Triste País aquele que podemos ver...

Ser vosso amigo, compartir com vocês momentos bons e maus da vida, e assistir á vossa entrega a uma causa benéfica e a um derrame desinteressado de Portugalidade, é uma subida honra.

Obrigado caros amigos, Portugueses de lei.

João Cortesão   

   

Ventura termina temporada com 3 Or em Jaén...

Resultado de imagem para diego ventura em ombros

Ventura termina a sua extraordinária temporada 2017 com o corte de 3 orelhas em Jaén...

Resultado de imagem para diego ventura em ombros



Toiros- Mudança de direção ao extremo...


Bravura dos toiros- Sorte de varas...


domingo, 15 de outubro de 2017

Veja a entrevista deTomás Moura ao "Sortesdegaiola"...

Momentos antes da sua apresentação em público, com a devida autorização, falámos com Tomás Moura...



SG - Amigo Tomás, o que estás a sentir momentos antes da tua apresentação em Público ???

Tomás Moura - Estou um bocadito nervoso, mas isto passa.

SG - Que te disse o Sr. teu pai ???

Tomás Moura- Disse-me para eu ter calma e estar aqui aqui como se estivesse em casa..

SG - E quanto a cavalos, tens uma boa quadra ???

Tomás Moura- Trago 5 cavaos e entendo-me com todos...

SG - Quem são os toureiros que mais gostas de ver a tourear ???

Tomás Moura - São o meu pai e os meus irmãos...

Sg - Qual deles exige mais de ti ???

Tomás Moura exigem os três...

SG - Sorte Tomás, e é para mim uma honra fazer-te a primeira entrevista.

Tomás Moura - Muito obrigado...






HOJE- 1ª entrevista de Tomás Moura antes da sua apresentação...

Amanhã- Crónicas do C. Pequeno e Vila Boim...

Paos de la Frontera- Ventura- 4 OR e Rabo...

Mais um grande triunfo de Ventura..



Em Palos de la Frontera, na província de Huelva, realizou-se este sábado, 14 de Outubro, a sua Corrida Pinzoniana, de onde saíu como máximo triunfador Diego Ventura, que cortou mais um rabo na sua temporada.
Na lide de touros de Luis Terrón e Los Espartales, a cavalo e Albarreal, a pé, actuaram, Diego Ventura, duas orelhas e duas orelhas e rabo, Joaquín Galdós, orelha e ovação e Luis David Adame, duas orelhas e duas orelhas.

Toiros- Mulheres valentes e loucas e não só---


sábado, 14 de outubro de 2017

Toiros- Frases sem sentido...

O dr. Alberto João Jardim disse um dia: Se já há casamentos de homossexuais porque não se pode falar em independência da madeira

Resultado de imagem para frases taurinas

 Oh meu caro Dr. Alberto João, esta tirada não tem lógica nem sentido. O meu amigo disse muitas vezes frases polémicas de forma desassombrada, que quer se concorde ou não, têm sempre a sua lógica e muitas vezes são premonitórias como se vem a verificar mais tarde.
O que teram que ver os casamentos homossexuais com a independência da Madeira?
Oh Sr. Dr. nem parece seu… O Sr. Dr. faz-me lembrar a miúda de 10 anos a quem o professor de matemática disse: “De matemática não sabes nada”. Respondeu então a miúda : “ Não sei nada de matemática mas quando for grande hei-de ter maminhas”.
No “Mundillo” não falta também quem diga frases patéticas como estas que acabei de citar, sem o mínimo de sentido.
Exemplos:
1º - “O cavaleiro fulano tal, esteve bem, destacando-se o último ferro com verdade e ao estribo”.
Digo eu: Se os outros ferros não tiveram verdade e não foram ao estribo, o cavaleiro não esteve bem, esteve quando muito razoável.
2º -  “O cavaleiro nada pode fazer e o forcado pegou á 3ª tentativa um toiro que não punha grandes problemas. No final cavaleiro e forcado deram justas voltas á arena”.
Neste caso seria correcto dizer: Cavaleiro e forcado sem vergonha, deram volta á arena.
3º - “ Não leio o Farpasblogue, e acho mesmo que esse blogue devia acabar”.
Pergunto eu, se não lê o Farpas como é que sabe o que lá vem escrito, a ponto de opinar que este devia acabar?

Muito mais exemplos poderíamos dar, mas ficamos por aqui.
Verdade verdadinha, meus amigos, é ser o mundo do toiro pouco tolerante e muito inculto.
Os aficionados Franceses, regra geral, sabem mais do cavalo e mesmo do toureio a cavalo que nós, simplesmente porque lêem. Um Francês antes de começar a montar lê 10 livros e no nosso país lemos 1 ou 2 quando já não somos capazes de montar.
Almada Negreiros escreveu nos seus ensaios:
“É mais difícil a passagem da civilização para a cultura do que a formação de civilização.
A civilização é um fenómeno colectivo.
A cultura é um fenómeno individual.
Não há cultura sem civilização, nem civilização que perdure sem cultura”.
Termino citando frases idiotas que provam que toda a gente diz parvoíces, não é so o Dr. Jardim e a malta dos touros.

George Bush

- Se não começarmos a guerra, corremos o risco de a perder
 Jardel
- Quando o jogo está a mil, minha naftalina sobe.
 Ferreira, ex-ponta esquerda do Santos
- No México que é bom. Lá a gente recebe semanalmente de 15 em 15 dias.
António Tadeia - Crónicas do Correio da Manhã
- Há muitos redactores que, para quem veio do nada, são muito fieis às suas origens.
António Sesimbra - O Independente
- Um surdo-mudo foi morto por um mal entendido.
 Angelo Bálsamo - Jornal do Incrível
- A vítima foi estrangulada a golpes de faca