MANIFESTO DA DIRECÇÃO: Este blogue “www.sortesdegaiola.blogspot.com”, tem como objectivo primordial só noticiar, criticar ou elogiar, as situações que mais se distingam em corridas, ou os factos verdadeiramente importantes que digam respeito ao mundo dos toiros e do toureio, dos cavalos e da equitação, com total e absoluta liberdade de imprensa dos nossos amigos cronistas colaboradores.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Boa pega - F. Mileu -Grp Arronches...


Poesia para Bandarilheiros...




BANDERILLERO.

¡ Banderillero de plata
del mundo de los toreros !

Cuando te vas hacia el toro,
yo siento por tí un respeto
de tus caireles gastados
y tu raso de años viejos.

Cada una de tus manos
lleva un cirio entre sus dedos,
con que enciendes a la muerte,
que está afilando sus besos.

Yo conozco la importancia
de tus pases y tus gestos......,
yo te admiro en tu renuncia
y en la paz de tu silencio.

Soldados de buena causa
y recompensas sin premio,
ayer palco de ilusiones
entre barreras de ensueños,
hoy solo con tu capote
al quite de los recuerdos.

Valiente, callado, alegre
donde quiera que haya un ruedo
siempre tu incógnita triste,
muerte o vida, tierra o cielo.

¡ Banderillero de plata
del mundo de los toreros !


Cavalos - Doma India....


Toiros - Sustos e não só...


S. Fermin - Este toro fez história...


quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

O que critico na Prótoiro...

A Prótoiro devia ser um pólo de união de todos os aficionados..


Resultado de imagem para protoiroResultado de imagem para joao cortesao

Fui á apresentação da Prótoiro acompanhado pelo meu amigo Nicolau Bryner, com quem jantei nesse dia fora do Campo Pequeno tendo por companhia M. Moura dos Santos e o Eng. José Lupi, com a esperança de que tudo ía ser um sucesso.
Vi na direcção bons amigos (começando pelo Presidente ), gente séria e capaz ( alguns ainda lá permanecem e outros igualmente sérios e capazes têm entrado), portanto não ponho as pessoas em causa mas sim os objectivos.

Pensei que passava a haver acções de rua a contrapor ás manifestações, tais como distribuição de panfletos em defesa da FESTA e a montagem da corrida em Viana. Pensei que haveria um trabalho de sensibilização das forças politícas. Pensei que as associações representadas iriam fazer um esforço no que toca á união das classes. Pensei que fenomenos populares como o Forcão, as Esperas e a corrida á corda, no futuro também ali estariam representadas,  Pensei que haveria um bom trabalho junto da imprensa. etc...

Quando foi público, que todos os intervenientes das corridas iriam descontar para que se pudesse pagar a profissionais, não achei mal...

Do exposto, ressalta que :

1- Quanto á propaganda em defesa da Festa, nada ou quase foi feito, abandonando-se inclusivamente ao seu destino os aficionados Vianenses, numa rendição vergonhosa...

2 - O trabalho de sensibilização das forças politícas foi feito e bem feito.

3 -Quanto á unificaçãodas classes foi feito um trabalho sério pela Associação de Ganaderos que esvaziou de conteudo a Associação de Criadores de Gado Bravo do Baixo Mondego, integrando todos na mesma associação, sem interferência da Prótoiro, como tal não admira que a dita federação nada tenha feito em relação aos Grupos de Forcados não associados, e nem tão pouco tenha convidado alguém destes grupos, para representar os marginalizados, vetando-os assim a um gheto inconcebivel...

4 - Ignoraram completamente o FORCÂO, sabendo que este espectáculo move dezenas de milhares de aficionados, e que muitos milhares de emigrantes vêem ao nosso País propositadamente para desfrutar das suas Capeas, como também ignoraram os organizadores das "Corridas á corda", das Esperas e Largadas, conhecendo como se conhece a adesão duma multidão a esta tauromaquia popular.


5 - Á vista desarmada, as relações com a imprensa generalista são inexistentes, e mesmo as relações com a imprensa da especialidade são más, deixando transparecer que uns são filhos (Yes Man's) e outros enteados...

Para terminar vou falar no BULLFEST.

Se a organização tinha em vista a  recolha de fundos absolutamente compreensivel, porquê se escolheu o Campo Pequeno sabendo que a gestora que representa o grupo Millenium não pode dar Borlas ( mesmo assim muito colaboraram)? 
Néne ofereceu sem encargos todas as suas praças, Levesinho ofereceu o ano passado Coruche e Bolota ofereceu Santarém.

Já havia a experiencia da "Festa do Forcado em Évora" organizada por Carlos Pegado, e todavia com mais força, a acção "Em defesa da Festa" realizada em Santarém ( 4 Festivais em dois dias que levaram cerca de 45 mil pessoas á praça), com largadas na manga e desfile de cavaleiros, organizada pelo Dr. Moita Flores superiormente assessorado por João Pedro Bolota e pelo Dr. Luís Pombeiro. A uma acção tipo da de Santarém, bem se podia juntar o que de bom teve o BULLFEST , e julgo que teríamos um modelo próximo do prefeito...

Se há gente paga para trabalhar, pois que trabalhem muito e bem, sem sectarismos. O que mais desejamos é não ter que criticar, mas infelizmente...

Escola especial - Toureio e dança...


O toureio e as Belas Artes....

EL TOREO... Y LAS BELLAS ARTES




No puede negarse la relación del Toreo con las Bellas Artes, es cierta, es patente. El Toreo es una Bella Arte más.
Pero no fue siempre el Toreo Bella Arte, ni arte siquiera. El Toreo nació indudablemente como caza y como lucha. Por necesidad. Al fin y al cabo, como las demás Bellas Artes. En realidad no creo que ninguna se haya salvado de estos principios tan poco artísticos y tan poco estéticos.
Lo primero que conocemos sobre Arquitectura obedece a la necesidad de cobijarse para defenderse de las fieras, del frío, del calor y de la lluvia, y que poco belleza más bien fealdad tendrían las primeras cuevas o chozas.
La Pintura y la Escultura nacieron arcaicamente, del aburrimiento de alguien de aquella época que cogería un trozo de rama y trazaría lineas sobre su choza.
La Música, el primer instrumento sería la flauta. El hombre sopló sobre una caña y sonó la flauta. Había nacido la música pero también fea.
Por tanto no solo el Toreo nació feo y rudimentario con más artesanía que arte.
El hombre tuvo necesidad de comer y cazando y dando muerte al toro podía alimentarse con la carne del astado animal.
El toro no se limitó a defenderse, sino que atacó al hombre. Pero el hombre más listo se dio cuenta de que el toro más bruto, acometía con ímpetu y ciego a lo que se le pusiera por delante, y el hombre decidió poner por delante del toro una piel de otro animal en vez de ponerse él mismo. Y, con esa piel en la mano moviéndola de un lado a otro, " daba salida " al toro una y otra vez, con muchas piernas y con mucha vista, hasta cansarle y dominarle, o matarle de un mazazo en el cerviguillo, equivalente a un descabello a la primera. Aquello no era arte. Era lucha.
Desde aquellos tiempos a los del toreo a caballo, todo lo que se diga es pura invención, o, a lo más, conjeturas. Nadie sabe a ciencia cierta qué fue el primer caballero que burló, sobre su caballo airoso, el bravo ímpetu de un toro, rubricando su burla con un rejón clavado en el morrillo, o en una paletilla.
Después surge el escudero o chulo encargado de hacer el quite al caballero, y que alguna vez aprovecha el quite para ponerse él y lucirse.
La retirada de los aristócratas rejoneadores, por obediencia al capricho real, contrario a la fiesta de los toros.
Aparece entonces el Toreo a pie, sin perder aún el fondo de lucha, procuró adoptar poco a poco una forma en cierto modo artística.

Casi puede afirmarse que el primero que vio en el juego con el toro una posibilidad de creación grata a la vista fué Pedro Romero.
Pedro Romero vio que aquello podía ser susceptible de creación artística.
Le siguieron " Pepe Hillo ", " Costillares ", " Cúchares ", " Cayetano Sanz ", " Lagartijo ", con Lagartijo volvió el arte al Toreo.
Con Pedro Romero el arte fue seriedad; con Cayateno Sanz llego la belleza; con Lagartijo la elegancia.
Y llegamos a " Bombita ", sustituyó la violencia por el triunfo sereno de la inteligencia.
Rafael " El Gallo " el arte bonito fue desarrollado por el temperamento y su hacer luminoso.
Antonio Fuentes y Rodolfo Gaona practicaron un Toreo elegante que cruzó todos los ruedos.
Con " Joselito ", el oficio, el conocimiento del toro y de las suertes que con cada toro había que realizar
Fue la concepción belmontina del Toreo la que elevó el arte del Toreo a una Bella Arte más.
Juan Belmonte concibió el Toreo con una soberana expresión de belleza. El lo dijo muchas veces y lo realizó muchas más en los ruedos. Para Juan Belmonte, el Toreo no era ya un juego serio y honrado bonito y elegante. Era sólo belleza ; creación de belleza.
Sus actitudes frente al toro, su realización de todas las suertes, la conjunción de su figura con la de la res, daban por resultado la linea arquitectónica, el dibujo y el color pictóricos, la masa escultural, el ritmo y la rima de la Poesía y la cadencia de la Música.
El toreo, desde entonces, fue una Bella Arte más.
El Toreo compendia, reúne y amalgama todas las Bellas Artes.
La Música se ha sentido inspirada por el Toreo. El Toreo ha dado lugar a la creación de los más bonitos pasodobles que se han escrito en el mundo. No sólo los dedicados a célebres toreros, sino los compuestos en homenaje a la fiesta en general.
Pero no es todo esto sólo lo que pone de manifiesto la relación del Toreo con las Bellas Artes restantes.
La Arquitectura se ha inspirado en la fiesta para construir las plazas de toros.
La influencia inspiradora del Toreo en la Pintura y la Escultura.
La fiesta de los toros fuente inagotable e inspiración constante de la Poesía.
La Opera también se nutre del colorido de la fiesta nacional.

Pegas duras - Ilha Terceira...


quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Nova Ganadaria - Irm. Moura Caetano...


FERRA DA NOVA GANADARIA IRMÃOS MOURA CAETANO Hoje foi este o cenário na Herdade das Janelas. Decorreu a primeira ferra de gado bravo da nova ganadaria com o nome IRMÃOS MOURA CAETANO. A familia esteve presente neste momento importante para todos e que marca uma nova etapa.


 

O INFOCUL e a BULLFEST...

Com a devida vénia trancrevemos este artigo do Sr. Rui Lavrador que encontrámos no FACE...

NOTA : É evidente que todas as criticas ou quase, são pertinentes, e esta não foge á regra, o que não quer dizer que eu esteja de acordo com tudo. .. 

Opinião: Pela Tradição e pela Tauromaquia!

BULLFEST_Aspecto exterior

O que seria uma festa para famílias e com o objectivo de divulgar algumas das mais importantes tradições portuguesas, acabou por terminar com: os taurinos mais divididos que unidos e os não aficionados a ignorarem o evento. Refiro-me ao Bullfest.
1-      O Campo Pequeno é palco de manifestações anti-taurinas em todas as corridas ali realizadas. Neste evento não houve manifestação. Sabem porquê? Porque o evento foi desvalorizado.
2-      Pessoas com responsabilidades na festa brava deveriam ter no mínimo alguma cultura geral. Ao invés, e após não lerem a opinião por mim manifestada num artigo, soltaram “pérolas” como: “o Infocul é órgão que faz criticas de música logo não percebe de tauromaquia”, “artigo escrito por um anti-taurino”, “ousider ressabiado que não sabe distinguir uma vaca de um boi”, e mais um sem número de alarvidades.
3-      O Infocul é um órgão generalista e com destaque cultural. Já efectuou cobertura a vários tipos de eventos na cultura, na qual a tauromaquia se insere. Ou os taurinos só incluem a tauromaquia na cultura quando lhes convém?
4-      Esqueceram-se de fazer uma pesquisa no Infocul, pois caso contrário perceberiam que já escrevemos por várias vezes sobre tauromaquia.
5-      Podiam também ter percebido que no Infocul há espaço para todos, dentro da linha editorial.
6-      Não sou anti-taurino. Poderia ser, era um direito que tinha, mas não sou. Sou a favor da manifestação cultural e identitária deste país que é a tauromaquia. Mas será que por esse motivo devo elogiar algo que foi mau?
7-      Bullfest é um conceito que pode até resultar, desde que a organização tenha em mente que pode e deve melhorar vários aspectos. Foi tudo mau? Não. Escrevi-o no artigo que assinei.
8-      Será que os “acérrimos defensores da festa” já pensaram porque a tauromaquia não evolui há muitos anos? Porque 80% dos agentes nela envolvidos agem como se tivéssemos na década de 80 ou 90. Não se adaptaram aos novos tempos. Não há renovação. Não há inovação. Querem um facto? Os maiores ídolos da afición portuguesa são actualmente artistas espanhóis. A imprensa é mal tratada dentro da tauromaquia. Atenção que falo de imprensa!!! Inovação não é promover algo tipicamente português com um nome inglês sem sentido nenhum. Antes de chegar ao público internacional, é necessário primeiro abranger em maior número o público nacional.
9-      Pensem no tipo de público não-formado que frequenta actualmente a primeira praça do país (são estrangeiros e não têm obrigação de perceber e entender esta cultura). Mas e nas restantes praças, muitas delas com fracas assistências? Motivo: Maus cartéis e demasiadas corridas para um país pequeno me termos de dimensão. Contudo há algumas excepções à regra e bons empresários. O problema é que quando alguém arrisca em algo novo que resulta, é imediatamente copiado e voltamos a ter sempre a mesma coisa.
10-   Todos os textos no Infocul são assinados (também disseram que tinha sido um cobarde não identificado a escrever o artigo de opinião). Basta lerem com atenção.
11-   13 mil pessoas foi o número avançado pela Protoiro, em termos de participação no evento. Como foi feita a contabilidade e quais os factos concretos para esta avaliação?
A Festa Brava precisa, urge mesmo, de renovação em todos os seus sectores. Precisa de não ter medo de receber e acarinhar novos públicos. Não pode é sempre que há uma critica, achar que esse alguém é anti-taurino e quer acabar com a tradição.
Rui Lavrador

Colhida arrepiante...


Cavalo chora a morte do dono....


Tourear verdadeiramente a campo...