MANIFESTO DA DIRECÇÃO: Este blogue “www.sortesdegaiola.blogspot.com”, tem como objectivo primordial só noticiar, criticar ou elogiar, as situações que mais se distingam em corridas, ou os factos verdadeiramente importantes que digam respeito ao mundo dos toiros e do toureio, dos cavalos e da equitação, com total e absoluta liberdade de imprensa dos nossos amigos cronistas colaboradores.

terça-feira, 31 de julho de 2012


Respondam se souberem a esta pergunta da Cristina Ferreira...



Recebemos da Associação do Grp de forcados do Ribatejo, este comunicado que confirma a Noticia que publicamos na semana passada em 1ª mão

Forcados Do Ribatejo31 de Julho de 2012 16:28



Despede-se nesta corrida a realizar no dia dois de Agosto de 2012 na Monumental Praça de Toiros do Campo Pequeno o


Exmo. Senhor Joaquim José Penetra


 

Esta corrida ficará assinalada pela despedida das arenas do Exmo. Senhor Joaquim José Penetra, que durante o período compreendido entre 1996 e 2008 foi o Cabo do Grupo de Forcados Amadores do Ribatejo.

Moço-de-Forcado intrépido, corajoso, com uma alma imensa, quando entregar a jaqueta a um dos seus mais dilectos pupilos será um mundo de emoções e recordações que esse gesto carregará.

Homem exigente, mas em primeiro lugar consigo próprio, provém de uma escola antiga de Moços-de-Forcado cuja escola só dispunha de uma linguagem. A mais dura. A do exemplo. Aquela onde se forjam o respeito e os laços de amizade que vida alguma consegue destruir.

Os seus estudos foram em primeiro lugar ministrados por rigorosos Mestres, seu avô, pai e tio que iniciaram e deram continuidade à dinastia Penetra, cujo respeito pela tradição e traço distintivo se comprova pela posição de colocação do barrete que ainda hoje usa e pela observação e leitura do toiro numa posição frontal quando da sua saída, e depois superiormente continuados sob a orientação desse Catedrático de nome Salvação Barreto, de quem foi o discípulo predilecto.

Dignidade, abnegação, arrojo e vergonha na cara são palavras cujo significado demonstrou por actos próprios pelas arenas do mundo taurino.

Honra, amizade, solidariedade, espírito de grupo e de missão são valores hoje desusados mas que para o Exmo. Senhor Joaquim José Penetra continuam a ser praticados e cultivados no quotidiano.


São Homens como este, naturais líderes de outros Homens, que têm a capacidade e o engenho para transformar um Grupo de Forcados Amadores numa Escola de Homens.


Num breve historial da sua dilatada e riquíssima carreira artística, como o comprovam os 175 toiros que pegou na modalidade de caras e cernelha, merece relevo o facto de se ter iniciado nos juvenis do Grupo de Forcados Amadores do Aposento do Barrete Verde de Alcochete. A sua estreia ocorreu na Monumental Praça de Toiros de Cascais em 1980, com 16 anos de idade e sob o comando do Senhor António Luís Penetra, abrindo praça e à primeira tentativa, a um toiro da extinta ganadaria do Marquês de Rio Maior com 470 kgs. lidado pelo cavaleiro José Mestre Batista. Rezam as crónicas que a pega constituiu um hino a essa tão lusitana Arte da Pega.

Em 1982 foi convidado pelo Sr. José Pedro Faro, através do seu pai, a ingressar no Grupo de Forcados Amadores de Lisboa de Mestre Nuno Salvação Barreto. A estreia com a sua nova jaqueta aconteceu numa tarde inesquecível desse mesmo ano na Praça de Toiros da Malveira, logo ao primeiro da tarde que havia sido toureado pelo Mestre José Maldonado Cortes.


Seguiram-se oito anos ininterruptos sob o comando de Mestre Nuno, tendo sido durante esse período e apesar da sua juventude o Moço-de-Forcado com mais toiros pegados no seio do Grupo de Lisboa.

Na temporada de 1990 e após convite efectuado pela Direcção do Aposento do Barrete Verde de Alcochete e do Cabo do respectivo Grupo de Forcados não resistiu ao apelo da "Alma Alcochetana" dos seus antepassados e acedeu a regressar ao Grupo onde se iniciou, recebendo a jaqueta de Cabo no final de Julho de 1992 na Praça de Toiros Carlos Relvas, então gerida pelo saudoso Sr. Jorge Pereira dos Santos.

Porém, o destino reserva-lhe novos desafios. Num encontro casual na Feira da Gastronomia em Santarém com o Sr. Pedro Colaço e depois com os Srs. Carlos Mancão e Paulo Feijoca, todos eles Moços-de-Forcado em actividade no Grupo de Forcados Amadores do Ribatejo, foi desafiado e depois convencido a abraçar um projecto difícil que consistia em aceitar a jaqueta de Cabo dos Amadores do Ribatejo numa altura em que este Grupo vivia uma complicada fase de transição depois de se ter despedido o seu marcante e carismático Cabo Sr. Rui Souto Barreiros, que numa determinante reunião em Alcabideche lhe concedeu a sua “bênção” para tão ingrata e delicada tarefa.


Assim, o dia 13 Fevereiro de 1996 marcou o início de uma nova era para o Grupo de Forcados Amadores do Ribatejo, pois foi na Praça de Toiros do Sítio da Nazaré - desse grande empresário que foi o Sr. Pires – que comandou o Grupo do Ribatejo pela primeira vez, seguindo-se mais 17 espectáculos até final dessa temporada.

Felizmente, como bem auguravam os elementos que o convenceram, a sua experiência, Arte e engenho foram mais do que suficientes para comandar o Grupo do Ribatejo, lenta mas seguramente, através de um percurso de renovação e consolidação de valores bem como na recuperação da sua postura de sempre, atravessando uma época de profundas mudanças na Festa Brava e na Forcadagem em particular marcada por várias rupturas em relação às décadas precedentes, o que em muito o honra nesta longa caminhada de doze anos como Cabo de Forcados do Grupo de Forcados Amadores do Ribatejo.

Durante a sua longa carreira artística como Moço-de-Forcado, passeou classe, saber e toreria por quase todas as arenas do Mundo Taurino Português desde Viana do Castelo a Vila Real de Santo António, de Elvas a Cascais e passando pelo seu muito querido Alcochete natal, Évora, Montijo, Cartaxo, Almeirim, Vila Franca de Xira, Setúbal, Moita do Ribatejo, Nazaré, Figueira da Foz, Póvoa de Varzim, Idanha-a-Nova, Coruche, Abiúl, Estremoz, Azambuja e tantas outras.

Na Monumental Praça de Toiros do Campo Pequeno continua, que se saiba, a deter o recorde de 5 toiros pegados de caras na mesma temporada.


Também a aficionadíssima Angra do Heroísmo nas suas Sanjoaninas honrou com a sua actuação. No Funchal marcou presença numa das rarissímas Corridas de Toiros aí montadas, na ocasião pelo saudoso Sr. Victor Ribeiro.


Mas também em arenas de Espanha - nomeadamente Cáceres, Móstoles, San Roque, Atarfe – e França - Mont-de-Marsan, Dax, St. Vicent-de-Tirosse, Nimes, só para citar as mais conhecidas – enfrentou o perigo ombro a ombro com os Homens que comandava.

Quanto às Ganadarias, nutre um enorme respeito e carinho por todos aqueles que têm a difícil arte de criar toiros de lide. Contudo, os nomes de Passanha, Grave, Prudêncio, António Silva, Fernandes de Castro, Infante da Câmara, Núncio e Rio Frio ocupam um cantinho muito especial no seu coração.


Não pode deixar de agradecer, reconhecidamente, a todos os Centros Hospitalares, Médicos, Enfermeiros e Socorristas que o ajudaram a ultrapassar as inúmeras mazelas que, graças à sua postura de verdade e vergonha na cara, sofreu.

Também uma palavra de profundo agradecimento e admiração a todas as Corporações de Bombeiros que estão sempre disponíveis para ajudar e albergar todos os Grupos de Forcados por esse País fora.

Olhando para trás verifica que valeu mesmo a pena servir e agradece o contributo que todos, mas mesmo todos, os Moços-de-Forcado que um dia sentiram o Medo consigo...


Não pode deixar também de invocar e homenagear os Empresários Taurinos já falecidos. Como sejam os Exmos. Senhores Alfredo Ovelha, Jorge Pereira dos Santos, José Agostinho dos Santos, Mário Freire e Manuel Gonçalves pelo contributo sério que prestaram à Festa.


Finalmente, um Agradecimento Especial a TODOS OS MOÇOS-DE-FORCADO QUE PASSARAM PELO GRUPO DE FORCADOS AMADORES DO RIBATEJO, DIRECÇÃO ANTIGA E ACTUAL, BEM COMO AOS AMIGOS, AFICIONADOS, CRÍTICOS TAURINOS/CRONISTAS E EMPRESÁRIOS, NUNCA ESQUEÇENDO O APOIO PRECIOSO DA SUA FAMILIA E EM ESPECIAL DA ESPOSA E DOS FILHOS, QUE ACREDITARAM NESTE PROJECTO AGORA CONTINUADO PELO SEU PUPILO JOÃO MACHACAZ.


O Grupo de Forcados Amadores do Ribatejo jamais pode esquecer a importância e protagonismo que o Exmo. Senhor Joaquim José Penetra teve na renovação e consolidação do Grupo no período em que foi o seu Cabo e não só e cujos resultados são hoje visíveis.

Ficará, certamente, neste segundo dia do mês de Agosto de 2012 a Festa mais pobre e órfã do seu, quiçá, derradeiro Romântico que tudo lhe deu e dela jamais algo esperou.


Apenas nos resta agradecer reconhecidamente, de voz embargada, tudo aquilo que tão distinto Artista fez e representou para o Grupo. E se, porventura, o Grupo de Forcados Amadores do Ribatejo foi, nalguma ocasião infeliz, pequeno para merecer a grandeza do seu carácter e personalidade só nos resta lamentá-lo.

Grupo de Forcados Amadores do Ribatejo
Filipe Gonçalves na corrida "sortesdegaiola" porquê ???
Porque efectivamente ninguém é indiferente a este toureiro.




Filipe Gonçalves está num momento importante da sua carreira, e as oportunidades estão a surgir-lhe a cada momento, fruto dos seus desempenhos.
O seu reportório é variado e vai dos quiebros aos violinos, passando pelos pares a duas mãos em que é eximio executante.
As passages e outros numeros menos ortodoxos dos seus cavalos ( tem um que bate palmas...) são do agrado do grande público.
A forma como chega ás bancadas resulta de um dom que nasceu com ele e da emoção que empresta áquilo que faz.
A irreverência e até uma certa extravagância, são a sua imagem de marca.
Nós esperamos um Filipe Gonçalves em grande para domingo dia 5 na Póvoa do Varzim.




Sónia Matias na corrida "sortesdegaiola" porquê ???

Mas há dúvidas???



A justificação para a inclusão desta cavaleira na nossa corrida, é evidente porque :

1 - É a cavaleira que mais vezes tem toureado no norte e sempre do agrado do respeitável público.
2 - Atravessa, quiçá o melhor momento da sua carreira.
3 - Tem neste momento uma quadra de cavalos equilibrada como nunca esteve.
4 - A sua presença valoriza o cartel sobremaneira.
5 - Sem a sua presença, o cartel ficava coxo.


Esta crónica da corrida das Caldas é da autoria de Jaime cortesão 

Caldas Da Rainha - Homenagem Nacional a D. Francisco de Mascarenhas com honras de transmissão televisiva.

Praça Cheia.

Começo por destacar a grande e emotiva ovação que o público tributou ao homegeado.


Depois destaco também a apresentação e o bom jogo dado pelos toiros da Ganaderia Vinhas, todos sem excepção serviram.

 Marco José - Abriu praça, apanhou o publico a frio, mas rubricou uma das suas melhores actuações este ano.
Na minha opinião o melhor ferro da corrida é o seu segundo curto, montando o Girassol.


Este toiro foi pegado à 2ª tentativa demonstrando grandes faculdades o forcado Óscar Carvalho.


2º Toiro

A.M. Brito Paes - Começou por dois compridos de antologia , indo depois buscar o craque da quadra, mas cavalo e toiro do mesmo ferro desentenderam-se provocando-lhe uma das mais impressionantes colhidas que vi nos últimos tempos (aparentemente sem grandes consequências para montada e ginete). Depois do percalço arrimou-se, voltou com casta e rubricou uma boa actuação, muito do agrado do publico.


Pegou este toiro à primeira tentativa Francisco Mascarenhas na melhor pega da noite.


3º Toiro

Manuel R. Telles Bastos - Igual a si próprio, dentro do estilo clássico que adoptou como seu, não conseguiu mais brilho porque o toiro foi o mais sonso da corrida.


Pegou à 3ª tentativa a resolver José Sousa Dias.


4ºToiro

Marcos Bastinhas - O Príncipe das Bandarilhas acabou a lide em plano de grande triunfo.
Neste momento da sua carreira, faz tudo, tem reportório de invejar com grande quadra que lho permite...
Baseia-se na equação dos 3M: M+M+M=TaT ou seja; montado, moralizado e mentalizado, só pode dar triunfo atrás de triunfo.


Efectuou uma rija pega a segunda tentativa o Forcado Francisco Rebelo de Andrade.


5ºToiro 

Tomás Pinto - Bom desempenho, para mais tendo em conta que foi a sua primeira actuação esta temporada. Um diminuto desacerto na ferragem, não beliscou uma actuação globalmente muito positiva.


Boa pega à primeira tentativa por intermédio de António Cunha.


6ºToiro

Mateus Prieto - Boa actuação com algumas pequenas irregularidades próprias da juventude e de quem tem toureado pouco, mas terminada em bom plano com um violino de nota elevada.


Boa Pega à segunda tentativa por intermédio de Mario Caldeira.

Comecei esta crónica com duas notas de destaque e vou terminar da mesma forma.

Parabéns á organização por este belissimo  espectáculo, daqueles que dignificam e promovem a festa, e pela ideia de Homenagear tão insigne figura, como é o sr. D.Francisco de Mascarenhas.

A segunda nota destaque é para o Grupo de Forcados das Caldas da Rainha que deu uma muito boa réplica à áquilo que lhes foi proposto.

Jaime Cortesão

1ª toiro

 
A história de um toiro criado á mão...

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Crónica da corrida da Trofa



Público - Mais de meia casa.
Toiros bem apresentados de Francisco Luís Caldeira que deram bom jogo, proporcionando êxitos aos toureiros.

Todos os toureiros estiveram bem e quando assim é...

Luís Rouxinol

Duas boas actuações ao seu melhor nivel. A regularidade mantem-se como sempre nas actuações deste toureiro.

Ana Batista

Seguiu na senda do triunfo da véspera. No primeiro toiro sacou um cavalo novo com o ferro "Manuel Ant. Lopo de Carvalho" de que já tinhamos feito referência a quando da apresentação da sua quadra, que superou todas as expectativas. No segundo, o mais complicado da tarde, esteve em toureira, muito por cima do toiro...

Duarte Pinto

Sacou o novo cavalo de saída ferro "Ortigão" ( e vão já 3 cavalos com o mesmo ferro) e com o Baltazar arreou ferros de grande valor, apresentando este, uma evolução notável...
Duas boas actuações dentro daquilo que em Duarte Pinto tem sido, o habitual esta época.

Os GRP's de Montemor e das Caldas não tiveram grandes problemas a resolver.

A curiosidade é ...

Porque toureia na corrida "sortesdegaiola" Tomás Pinto ???









Tomás Pinto foi um dos triunfadores da época passada, e por razões que se prendem com os estudos só agora começou a temporada 2012. O público está com curiosidade de o ver, mormente o público da Póvoa, praça onde triunfou forte sempre que por lá passou.
A tourear, a verdade e a alegria moram com ele, e é isso que o público do Norte espera dele no Domingo, dia 5...
Ontem na Foz do Sizandro



Público - Mais de meia casa

Os toiros de "António Silva" invulgarmente bem apresentados para uma praça desmontável, cumpriram na  generalidade, tendo a ganadera dado volta á praça.

De salientar que o piso por muito duro prejudicou e bem os toiros, mas principalmente os cavalos.
Não posso deixar de registar a presença do cavaleiro praticante David Gomes, que encontro em quase todas as corridas onde tenho ido, numa demonstração plena de aficcion e de querer aprender. 

Brito Paes

Esteve bem, com duas lides distintas. No primeiro toiro apostou na emoção e conseguiu os seus intentos, no segundo toiro que não era táo bom, deu-lhe uma lide mais aligeirada como se impunha, chegando ao público que não lhe regateou aplausos.
Este cavaleiro está num bom momento e vai demonstrar isso mesmo, 5ª feira no Campo Pequeno
O seu novo cavalo de saída com o ferro Romão Tavares, é anatómicamente dos melhores que andam por aí a tourear.

Filipe Gonçalves

No seu primeiro toiro, não conseguiu uma lide redonda porque insistiu nas batidas a que o toiro não correspondeu. Embora o público pedisse com insistência para que acompanhasse o forcado na volta á arena, o cavaleiro numa manifestação de honradez, recusou, confidenciando-me que não se sentiu a gosto.
No segundo toiro, tudo foi diferente, bons ferros curtos e principalmente um par de bandarilhas que até este momento da temporada, posso garantir que foi o melhor que vi, e acrescento ainda que vai ser difícil ver melhor durante esta época em curso. Simplesmente extraordinário!!!


João Moura Caetano

Recebeu o primeiro toiro correndo-o por direito, reduzindo a velocidade deste com mudanças de mão e rotações de garupa na cara do hastado. Nas bandarilhas sacou o XISPA e esteve ao seu melhor nivel, proporcionando-lhe a melhor lide da tarde. Bons ferros precedidos de um lidar vibrante em que sobressairam os recortes, passando com a garupa pela cara do toiro como remate.
No segundo toiro, que tinha outras caracteristicas e que veio de mais a menos, deu-lhe uma lide movimentada a condizer, que o público compreendeu e aplaudiu.


Os Grp's de Coruche e de Portalegre pegaram com decisão e valentia, os toiros que empurravam com força.




Corrida de sabado em Salvaterra

Público - Pouco mais de meia casa


Os  famosos toiros "Palha" de apresentação irregular, apresentaram problemas e alguns bem sérios, aos cavaleiros e forcados

A corrida para o grande público foi agradável de seguir porque teve emoção, e para os aficionados também teve um interesse acrescido, porque cada toiro foi um caso e alguns bem comlicados, que deu largas ao exercicio de pensamento de como lidar ou como pegar. Se eu fosse ganadero não ficaria contente com o curro enviado, porque alguns dos toiros tiveram reduzidas condições de lide.

Os vencedores dos prémios para a melhor lide e melhor pega
Rui Salvador

O cavaleiro de Tomar, mostrou a sua alma toureira. Ao primeiro toiro que lidou, deu-lhe a lide certa, escolhendo os terrenos e as distâncias com saber. No segundo, mais manejável, veio ao de cima a sua força e o seu valor.
Ganhou o prémio em disputa merecidamente.
O seu novo cavalo de saída afirma-se a cada dia que passa.

Ana Batista

Reencontrou-se a cavaleira, depois de ter toureado duas corridas após a colhida de Azambuja, em que os lotes que lhe tocaram não facilitaram o reencontro com a arte que escolheu. No primeiro toiro esteve á altura do que pode e é capaz, mas foi no segundo que era dificíl e perigoso, que mostrou toda a sua raça que ao longo da sua carreira, a levou a tourear e dar a volta Miuras e Pablos Romeros.
Muito bem, muito bem mesmo...

Marcelo Mendes

Tocou-lhe o pior lote, mas deixou constância de enorme querer e enorme coração. O público compreendeu-o e esteve sempre com ele.
O seu novo cavalo de saída que nos tinha impressionado em OLIVEIRA DO BAIRRO, pode vir a ser extraordinário, no sabado teve detalhes invulgares em duas ocasiões em que o toiro se atravessou, quase aparecendo-lhe pela frente.

Quanto aos forcados tiveram uma noite difícil, mas como são dois dos melhores grupos da actualidade, deram um autêntico recital de como se pegam toiros. 

Pelo Grp de Montemor pegaramAntónio Vacas de Carvalho, Tiago Telles de Carvalho e Francisco Borges naquela que foi a pega da noite e que ganhou o prémio em disputa.

Pelo Grp de Vila Franca pegaram Rui Godinho, Rui Graça e Ricardo Patusco numa demonstração de técnica perfeita.










Com toda a sinceridade, e sem ponta de cinismo, lamentamos o acidente sofrido pela equipa do Site "touroeouro" quando ontem se deslocava para a Foz do Sizandro, em que felizmente não houve ferimentos a registar.Uma situação deste tipo pode acontecer a qualquer um de nós, que anda na estrada nesta época de corrida em corrida, muitas vezes sem descansar.


domingo, 29 de julho de 2012




Para rir SFF...


AMANHÃ apresentaremos as crónicas de Salvaterra onde triunfou Rui Salvador e se reencontrou Ana Batista ao seu melhor nível, e ainda onde os Grps de Montemor e Vila Franca deram um recital de como se pegam toiros.
Hoje vamos estar na Foz do Sizandro e nas Caldas da Rainha
Crónica dos Riachos - dia 27

Casa completamente esgotada!!!

Os toiros de "Murteira Grave", bem apresentados, cumpriram com excepção do 5º


Estreia de muita dignidade do GRP dos Riachos


BRITO PAES
 Marcou a sua passagem pelos Riachos com duas boas actuações.
No seu primeiro toiro esteve melhor, com mais emoção, no segundo praticou outro tipo de toureio, com mais ritmo mas com menos profundidade, mas que o público presente apreciou, tributando-lhe fortes aplausos.
Este toureiro está num momento que dá gosto ver, pela sua entrega e pelo dominio das montadas e pelo entendimento de terrenos e distâncias.


GILBERTO FILIPE
Confirmou o que lhe tinha visto em Évora.
Está bem montado e a sua evolução continua pela positiva.
Foi no seu segundo toiro, que conseguiu o êxito mais gordo.
, embora no 1º estivesse dignamente. A sua preocupação em agradar á força toda, tira-lhe ainda un nadinha de descernimento. Fazendo o que faz com mais calma, ganhará mais classe e as suas lides terão ainda outro peso.


ANA BATISTA
Tocou-lhe, de longe  o pior lote.
No primeiro toiro cumpriu e no 2ª que se adiantava, resolveu os problemas sem brilho.
Esta foi a 3ª corrida que toureou depois da colhida em Azambuja, e não lhe saíram os toiros á medida para se confiar.
O público esteve com ela de principio ao fim numa prova cabal do seu prestigio, e do reconhecimento das dificuldades que sobretudo um dos toiros apresentou.


FORCADOS : Com toiros que não eram peras doces, os grupos de Cuba e Riachos resolveram a contento os problemas que lhe apareceram.

sábado, 28 de julho de 2012


 As figuras de parvos que os homens fazem na praia...


É hoje, é hoje, é hoje... que os toiros "PALHA" voltam a Salvaterra

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Praça completamente esgotada nos Riachos, para a re-apresentação do novo grupo de terra.

Gente tonta, mesmo muito tonta...


Aficionados de Seia revoltam-se contra o facto de haver uma campanha de gente de fora contra a corrida que ali se vai realizar



Têm bom remédio. Expulsem esses palhaços, se aí aparecerem. Mas á bruta !!!...
Amanhã é que vão ser elas...

Grand'as toiros, porra...



Mauricío do Vale tem razão.

Nestes dois casos tem toda a razão...






Ainda que algumas vezes não esteja de acordo com a defesa que o distinto critíco faz do toureio a pé no nosso País, embora lhe reconheça toda a coerência e entusiasmo, ao ler o que escreveu não posso deixar de lhe dar razão.
Quanto a Manuel Dias Gomes, os comentários de M. Molés foram no minímo infelizes...


Quanto a Procuna na Feira da Moita, não posso estar mais de acordo. É da terra, tem valor ás carradas e por ele não há as fantuchadas das trocas dos toiros á hora da corrida...




Perguntará o toureiro: "De que me valeu este gesto na minhaterra ???"
Porque vai Joaquim Bastinhas á corrida "sortesdegaiola" á Póvoa do Varzim no dia 5/7/2012 ????
Poucos farão esta pergunta, mas.... pelo sim pelo não vamos responder.

Começo por responder com outra pergunta. Alguém monta uma corrida de 6 cavaleiros no Norte ou no Centro sem J. Bastinhas?  É evidente que não...
Bastinhas é a alegria do povo. A sua forma de chegar ás bancadas é contagiante. O ritmo que impõe ás lides não deixa tempos mortos. O seu reportório fez escola, e tanto é assim, que nunca houve tantos cavaleiros a bandarilhar a duas mãos como hoje, até mesmo alguns que perfilham outro tipo de toureio.

Por tudo isto e não só, Bastinhas vai estar na 1ª grande corrida "sortesdegaiola na Póvoa, no dia 5 de Agosto; porque o povo quer, porque o povo é quem manda...

Carteis de Alcochete



Festas do Barrete Verde e das Salinas em Alcochete


6ª feira, 10 de Agosto, às 22 horas - Novilhada integrada no Ciclo Nacional das Escolas de Toureio. 6 novilhos de José Pereira Palha, Ortigão Costa, Vale Sorraia, São Torcato, Herds. Cunhal Patrício e Falé Filipe para Jacobo Botero, Luis Rouxinol Jr. e Alexandre Gomes, 1 grupo de forcados, Sérgio Nunes (Academia do Campo Pequeno), Pedro Noronha (Escola "José Falcão" de V. Franca) e João Rodrigues (Escola da Moita).




- Domingo, 12, às 18 horas - XXX Concurso de Ganadarias Associadas. 6 toiros de Condessa de Sobral, Branco Núncio, Pinto Barreiros, José Lupi, Herds. Conde Cabral e Murteira Grave para António Ribeiro Telles, Rui Fernandes e Francisco Palha. 1 grupo de forcados.


- 3ª feira, 14, às 22 horas - Corrida à portuguesa. 6 toiros de Hato Blanco para Rui Salvador, Sónia Matias, Gilberto Filipe, Tomás Pinto, Salgueiro da Costa e João Maria Branco. 2 grupos de forcados.


- 5ª feira, 16, às 22 horas - 1ª Corrida "Osborne". 6 toiros de Vale Sorraia para Luis Rouxinol e João Salgueiro, mano-a-mano. 2 grupos de forcados.



PS e PSD chumbaram a proposta de um grupo de independentes, que queriam Tomar PCI



Que Vergonha!!!... Viva a coerência do CDS e do PCP!!!

A proposta foi reprovada com três votos contra do PSD e dois do PS.


Os independentes que apresentaram a proposta, teceram ao jornal "O Mirante" duras críticas a Carlos Carrão e José Perfeito, respectivamente, presidente e vice-presidente da autarquia, ambos do PSD, que numa fase inicial se tinham "mostrado favoráveis" a esta pretensão, declarando em conferência de imprensa na passada 3ª feira:"Assumiram que votariam favoravelmente e posteriormente, numa reviravolta mirabolante, apenas acessível a pessoas com coluna vertebral de incrível fexibilidade, mudaram radicalmente de opinião e votaram contra.

O Partido Socialista veio entretanto a terreiro para reconhecer que "apesar de a tauromaquia se encontrar fortemente enraizada na cultura tradicional portuguesa no seu todo, possui, contudo, expressão de particular relevância em algumas regiões ou lugares, mas que não é esse o caso de Tomar"...

Respondendo ao PS local, digo : Então será que uma cidade com praça de toiros com vários espectáculos ao ano e que nas datas importantes se enche de público, com 2 grupos de Forcados, vários cavaleiros de alternativa, uma ganadaria, vários bandarilheiros etc... não tem expressão de particular relevância na Tauromaquia???

Respondendo ao PSD local, digo : Então porque ía o sr. presidente a jantares de um dos Grp's de Forcados?

Resumindo: Borraram-se com meia dúzia de mail's e não têm vergonha.
Espero bem que as pessoas de Tomar nas próximas eleições não esqueçam esta gentuça.


Antigamente era assim ???


quinta-feira, 26 de julho de 2012

Nas Caldas da Rainha, vai ser  homenageado D. Francisco de Mascarenhas


Olha o sacana do cão...



No fim de semana vamos estar em Riachos dia 27; Salvaterra dia 28, Foz do Sizandro, Trofa e Caldas da Rainha no dia 29

Domingo há corrida na Foz do Sizandro

Amanhã, 6 toiros Murteira Grave para serem pegados por dois grupos não associados

Pedrito decidiu ir este ano á Moita que é ao pé da "Coina qu'é bem bom"



Há vários anos que tem andado nas bordas, mas este ano decidiu-se. Decidiu, está decidido...
Pedrito, este ano vai á Moita, que é ao pé da "Coina qué bem bom...
Esta é uma corrida com muitas aliciantes e mais uma...

A aliciante de que falámos ontem, é tão só a despedida desse enorme forcado, de seu nome Joaquim José Penetra.
 Trata-se de um dos melhores e mais destacados forcados do seu tempo. Pegava de caras, cernelhava, rabejava e ajudava, fazendo tudo bem e com valor. Começou no Grupo do Aposento do Barrete verde, mudando depois para o Grupo de Lisboa no tempo de Nuno Salvação Barreto. Mais tarde capitaneou o Grupo onde começou a pegar, Grp do Ap Barrete Verde, e terminou como cabo do Centenário Grp do Ribatejo.
Homem de carácter, nunca vergou a servil, e por isso aguentou estoicamente toda uma guerra, só abandonando a chefia do grupo quando a sobrevivência deste estava condicionada á sua chefia. Ou ele ou o Grupo, foi o dilema que de fora lhe foi apresentado, como mais tarde se veio a verificar.
Na próxima 5º feira, integrado no seu grupo com mais um forcado ás ordens do cabo João Machacaz, pegará o seu último toiro e despedir-se-á das arenas.
Como seu amigo de sempre, principalmente das horas menos boas, vou estar presente para assistir á sua formal despedida, recordando-me com certeza nesse momento das pegas históricas que o Quim Zé fez no nosso País e em França.
Caro amigo, foste grande e como disse noutra altura em que saí a terreiro em tua defesa, como forcado deves ter-te sentido a determinada altura como um gigante entre anões...



A propósito dos 11 anos de vida do "NATURALES"


Rosé é isto..

O "NATURALES" se fosse vinho, não era Rosé...

Ou isto...



Ou isto...















O " Naturales" se fosse vinho, não era Rosè, aquela Zurrapa levemente frisante e adocicada que invoca o estatuto de vinho ( Vinho ????!!!) ...
O "Naturales" se fosse vinho era uma bebida pura sem técnicas de forçagem, resultante da fermentação de várias castas PORTUGUESAS, que sobressairia igualmente das massas vinícas monocásticas - em moda hoje em dia - mas que mais não são que vinhos que se sobrepoem, num tipo virado exclusivamente para certas clientelas popularuchas, que por sua vez aguentam as marcas. 

Os vinhos (vinhos???)  Rosé exibem normalmente um rótulo kitsch que nos esbofeteia mal o visionamos a duas jardas de distância...

Desmentindo a máxima segundo a qual é possível enganar toda a gente mas não ad eternum, o Rosé (taurino, digo eu...), como mistela logrou (como bom logro que é) afirmar-se como um verdadeiro block buster das bebidas alcoólicas, disputando  as papilas gustativas “queimadas” e os narizes forrados dos jet-setters menos eruditos e  mais parvenues.

De facto, nada menos cool do que a garrafa tipo de uma marca conhecida de Rosé, que é baixota, morena e tosca, pesadona e sem pescoço, com a fisionomia anafada do Zé Carlos Morcela Malato.

Tranportem-se estes considerandos num paralelismo metafórico com o mundo que nos rodeia, e fácilmente se conclui que o "Naturales" é todo o contrário.


Eu bebo diáriamente "NATURALES" porque é puro e porque é bom, naturalmente...